Eu fui avisada, mas só entendi quando meu corpo quebrou.

Assim como atendo às pessoas, utilizo as ferramentas para mim mesma. Acho que é um compromisso importante. Cuidar de mim, para daí cuidar do outro.

O Jogo da Transformação® vinha me dando recados de que eu precisava descansar. Eu não entendia bem. Porque meu trabalho é relax. Eu faço meu horário. Acordo e durmo a hora que quero. Geralmente, tiro as manhãs só para cuidar de mim, meditar, respirar, ouvir uma música boa.

Os dragões também começaram a me mandar cartas que pediam descanso. Continuei não entendendo, mas fiquei atenta. Mesmo assim, nada mudou no meu dia-a-dia. Marquei vários atendimentos. A mandala dos dragões têm ajudado muitas pessoas e elas indicam, eu não parei de atender.

Eis que estou no ônibus e uma pessoa pisa no meu pé com salto fino. E quebra meu dedo. Creiam. Doeu muito, mas eu respirei na hora e continuei meu caminho. Cheguei na casa de uma amiga, com bastante sacrifício. Ela colocou meu pé numa água quente com sal e me deu um chinelo. Fomos a um compromisso e eu de chinelo mesmo. Achei que melhoraria. Não pensei que fosse uma fratura.

No outro dia, fiquei em casa, mas andando para lá e para cá. E o dedo enorme. Final de semana saí com uma pessoa, andamos pela Vila Madalena, que estava especialmente gostosa. No final da noite não aguentava mais andar. Fui ao médico e estava com o dedo quebrado.

Vejam. Parece bobagem. O que tem a ver com o descanso. Tudo !! Eu posso estar no limite da dor e não paro. Continuo o ritmo. Qualquer dor, sentimento ruim, gripe, eu nunca paro. Vou em frente. O mental e emocional podem estar ok, mas o corpo está com aquela dor ali. Até descansos de pessoas. Sabe aquelas que te consomem ? Começam a fazer peso na sua vida, nos ombros, na mente, no propósito de vida. Isso ! Precisava de descanso de algumas, também. Dar limites. Inclusive naquelas que adoram pisar no meu pé. Parar de ficar no caminho delas é um ótimo descanso. Nossa ! Este insight veio agora. O descanso maior é sair da linha de rota de certas pessoas, porque cada pisão recebido, é uma fraturinha na alma.

Enfim. Precisei quebrar o dedo, na região onde estão questões de base. Talvez resolvidas, mas precisam sair do nível físico. Pois fica ali a memória impregnada. E só o descanso e cuidado com ele, podem transformá-lo.

Hoje, quarto dia imóvel, sem andar, compreendo a importância de parar. Não subestimar nada. O Jogo nunnnnnncaaaaa erra. Nunca, nunquinha. Porque ele trás a verdade pessoal. Mas nem sempre queremos entender aquilo. Vem ao consciente, vemos, mas não queremos. :) Foi o que aconteceu comigo nestes dias. E estou trabalhando bastante com isso. Faço mandala do dragão para me apoiar e uso a essência indicada. Não estou andando mesmo. Trabalhando na cama. Finalizei alguns processos de trabalho que me cansavam e não eram mais necessários.

Eu sei que quando cuido de mim, volto numa potência muito especial para novas iniciativas.

Faltam 22 dias para minha ida à Findhorn. Preciso estar inteira. E se você ainda não colocou sua intenção para eu meditar, este é o tempo que você tem: 22 dias. Não procrastine. Mesmo antes da meditação, só de colocar a intenção, ela já vai para o campo trabalhar. Pode ser que se resolva antes da meditação.

Meu pé parou, mas a campanha inicial para o Projeto Patagônia, ainda tem 15 dias. Se você não apoiou e sente que é importante para o Feminino e Masculino, sua participação, CONTRIBUA. Há várias contrapartidas interessantes.

Dia 08 de julho, irei realizar um ritual, Drukmo Choga - o Manto do Dragão, em São Paulo, para a Lua Cheia com os Dragões. Dá uma olhadinha no EVENTO. Coisa de bruxa com a fada, Renata Idargo que vai cozinhar. E outras pessoas estão se envolvendo para mais presentes. A ideia é abrir para o novo mundo que está emergindo, com os dragões apoiando na materialização de desejos.

Pessoas, sério mesmo. A mandala dos dragões é incrível. Já atendi as 20 pessoas pelo valor de gratidão. Mas vale a pena fazer pelo valor original. Converse com sua alma e abra-se para a abundância. Peça e você receberá. Já dizia um cabeludo por aí.

Vamos nos falando.

beijos

Patrícia Stanquevisch