Respeito !

Fiquei uns dias sem escrever, por necessitar de tempo para entender alguns acontecimentos. 

Na última semana, apesar de bastante motivada, estava me sentindo lotada. Não cabia mais nada dentro de mim. Nenhuma informação, nenhuma atividade, nada. Isso nunca havia acontecido comigo. Sou sempre multicoisas e, na verdade, o que eu sentia não tinha a ver com estar fazendo muitas coisas ao mesmo tempo. Mas com estar fazendo coisas que eu não queria fazer. Estava me obrigando a aceitar situações, atitudes de outras pessoas e engolindo sapos enormes. Não sou assim. Isso foi contra minha essência e me lotou o coração. 

De qualquer forma, quando me dei conta, busquei ouvir amigos nos quais confio. Opiniões que fazem diferença para mim. Me ajudam a discernir. E foi rico. Pois percebi alguns esquemas importantes para lidar.

No meio disso tudo, vi que não estava pronta para o Monte Shasta. Não tenho problema em dar passos para trás, nas decisões. E assim fiz. Dei um Pause no Projeto. Estou pronta para coisas diferentes. Nem menos nem mais importantes.

Daí passei a olhar para tudo o que ouvi nesta semana. 

Tenho entendido que meus chamados são sempre para ajudar as pessoas a alcançarem a abundância e darem passos em busca de realizar seus sonhos vindos do coração. Acho que todos estamos prontos para receber o que viemos receber neste Planeta, que é abundantemente próspero. Entendendo que fomos imbuídos em acreditar na escassez e de que ela não existe,  não me cabe mais acreditar de que a prosperidade que existe para todos, não exista para um ou outro, porque esta pessoa tem X,Y,Z problemas, que sejam conceituais, sistêmicos ou de qualquer outra ordem.

Meus dois pés estão muito bem conectados ao novo paradigma de que tem para todos e que a colaboração é um dos caminhos neste campo imenso de possibilidades. Não sei mesmo fazer como fazem os estudiosos, novos economistas da economia colaborativa. Mas sei uma coisa: fazer com amor. Dizem os físicos quânticos, que o amor é mais poderoso. Estou com eles.

Minha vida toda foi muito próspera. Não sou de família rica, mas desde cedo aprendi a trabalhar, sempre no que eu gostava. Estudei o que eu queria. Quando entrava num curso que não me fazia mais bem, eu largava, apesar de tudo o que diziam a respeito. Viajei por mais de vinte países, de maneira colaborativa e a partir do meu trabalho, no que eu sei bem fazer, que é unir talentos e confiar neles. Sempre atraí pessoas que me ajudavam a construir e acreditar nos meus sonhos. O que mudou de lá para cá ? Não muito. Só pegar um desafio maior. O Destino Colaborativo. Hoje escolho desafiar a corrente e crescer mais ainda, pelo amor e pela colaboração. 

Ouvi muita coisa, desde sempre, no sentido de que eu estava no caminho errado. Certo ano, tive um equipe de ginástica, com jovens de pouco recurso financeiro. Alguns colegas me criticavam por estar incentivando algo que eles não conseguiriam fazer, que era viajar para a Europa, para representar o Brasil. Por que eles não poderiam fazer ? Fizeram. Foram. E hoje sei que eles incentivam outros a irem atrás dos seus sonhos, também.

Por ser assim como sou, percebo que a tendência das pessoas parece sempre ser voltar para o que é conhecido. Velhas formas. Diagnosticar que sou louca, ingênua, destrambelhada. Questionar minha capacidade de Ser. 

Gente !! Respeito ! Estou no meu caminho, fazendo o que sei fazer, da melhor forma que consigo. Respeito ! Considere que ninguém é o dono da verdade e que tudo o que sabemos até hoje pode ser uma grande ilusão. Respeito ! Que cada possa agir com cuidado para não afetar o outro. Respeito! Tente leque você não gostaria que fosse feito com você.  Respeito! Eu confio em todos, de cara, sem condições quaisquer que sejam pré-estabelecidas. Isso faço porque o que vejo em todos os seres é mais do que certo e errado. É a essência. Mas isso pode se quebrar, pela falta de Respeito !

A Rede é uma, mas as tribos são muitas. Procure a sua se a minha não te apetece. É um direito de todos, né ? 

A vida nada mais é do que uma Aventura para mim. Onde corro riscos, para poder aprender mais, explorando possibilidades diversas. Às vezes, nesta aventura, tomo uns golpes de vento que me tiram do caminho. Outras vezes, vem uma onda que me encobre e me joga de volta para a areia. Mas no final, eu sempre me levanto e aprendo com aquilo. Nada mais do que isso. 

Dizem que sou Arrogante. Não acho ! Não mais. Já fui. Hoje não. Hoje sou cada dia mais entregue ao Não saber nada e fazer o meu melhor, conforme aparece na frente. O que parece ser arrogância é só meu poder pessoal, cada dia mais empoderado. Mas como toda sombra, a arrogância está integrada no meu Ser, e se preciso usar, uso aqui: Me Respeite, pq não sou bolinho não !!